Efteling

O Efteling é um parque de diversões, em Kaatsheuvel, mais para o sul da Holanda, a 1h15 de Amsterdam. A temática é de contos clássicos, e tem atrações para todas as faixas etárias. O parque conta com hotéis que oferecem diversos tipo de acomodações, e os pacotes já incluem ingressos e café-da-manhã.

Em teoria, a reserva pode ser feita pelo site. No entanto, é necessário realizar um cadastro, e o formulário online não permite a opção de “Brasil” como país. Assim, tive que telefonar para lá e realizar a reserva pelo telefone. Pagar também deu trabalho, visto que tentei, na mesma ligação, todos os meus cartões e os do Gustavo, e eles não conseguiram com nenhum. Eles mesmo disseram que isso é comum lá com cartões estrangeiros. Fato é que tivemos que ligar e conversar diversas vezes, e conseguimos manter a reserva para pagar apenas no momento do check-in. Outra opção seria ir ao banco para realizar transferência internacional.

Ainda assim, no site você consegue checar os quartos disponíveis e os valores. Vale à pena tentar reservar o quanto antes, porque realmente esgota, principalmente as suítes temáticas. Além disso, os preços são 20% mais baratos quando se reserva com 4 meses de antecedência.

A primeira vez que olhei o site, fiquei um pouco confusa. No ícone “Overnight Stays”, é possível verificar os 3 hotéis do parque: Efteling Hotel, Efteling Village Bosrijk e Efteling Village Loonsche Land. Eu escolhi o Efteling Hotel, porque é ao lado do parque, as suítes me pareceram bonitas e o preço era bom. Confesso que não perdi muito tempo com os outros dois, mas o Village Bosrijk parece ter apartamentos maiores, com cozinha e tal, mais luxuosos, e o Village Loonsche Land parece ter uns quartos bonitinhos, bem simples, com opções para grupos maiores, e são um pouquinho mais afastados do parque (20 minutos a pé). Há ainda a opção de casas, para 6 a 12 pessoas, de tamanhos, estilos e localizações variadas. Como eu disse, são diversas opções e eu achei bastante confuso. Meu conselho é: explore as opções pelos ícones na barra de cima (Efteling Hotel, Efteling Village Bosrijk e Efteling Village Loonsche Land). Quando tentei clicando nas opções  “Hotel Rooms”, “Holiday Homes” e “Apartments”, no meio da página de “Overnight Stays”, achei uma zona.

Entrei no ícone “Efteling Hotel” para tentar realizar a reserva, mas vi que a cada hora apareciam suítes diferentes. Eles têm suítes temáticas, cada uma no tema de uma história diferente, que são mais caras do que as comuns, mas bem maiores (e mais legais!). Aí entendi que só apareciam as suítes disponíveis para o período solicitado. Para conhecer todas as diferentes suítes, é preciso ir na parte de “Efteling Hotel” e depois “Themed Suítes”.

Eu acabei demorando muito para fazer a reserva de fato, por essa confusão no cadastro, e perdi tanto o desconto da reserva antecipada quanto as suítes temáticas, que esgotaram. Acabei reservando uma das suítes comuns (Comfort Room). A Comfort Room 5 – Person (“5 – person” mesmo, vai entender) é um pouco mais cara do que a suíte básica, mas preferi por causa da cama beliche (triliche), que achei que a Clarinha iria gostar (de brincar, não de dormir, rs).

Nós havíamos alugado um carro, então fomos da cidade onde estávamos, Vinkeveen, para Kaatsheuvel, onde fica o Efteling, dirigindo. Foi bem fácil de chegar com o Google Maps.

Primeira coisa a dizer sobre Kaatsheuvel: Estava frio. Dias lindos, ensolarados e frios. Sempre gosto de ressaltar isso. Jamais subestime o frio da Holanda. Difícil sair muito cedo e, perto de meio-dia, no sol, fica super quente e a gente começa a tirar todas as 54 camadas de roupa.

 

O quarto só é liberado às 15:00, mas a qualquer hora você pode realizar o check-in, deixar as malas em um armário na recepção e pegar os ingressos para aproveitar o parque. O mesmo acontece após o check-out, pode-se deixar as malas e passar o dia no parque. Assim, passamos 3 noites no hotel e aproveitamos 4 dias inteiros de parque. A recepção é child-friendly: escada para a criança ficar na altura do balcão, banheiro infantil, um parquinho indoor (e outdoor, que não fomos), televisão passando os contos de fadas, as crianças ganham livrinhos e lápis de cor. E ainda ganham um cartão postal para preencher e devolver na recepção, que eles enviam para você (aqui chegou direitinho! Uma felicidade só!).

 

O quarto é de bom tamanho (29 m2) e  muito bem decorado. Tem um jogo de tabuleiro temático e vários detalhezinhos fofos. As camas são confortáveis (uma cama king e uma triliche linda) e o banheiro é bom, com redutor de assento e um armário-step embaixo da pia. Fiquei imaginando como as suítes temáticas devem ser lindas e fiquei me martirizando por não ter conseguido reservar. Em uma próxima, reservarei com certeza!

IMG_0350.JPG
Meninas jogando o jogo de tabuleiro no quarto.

O café-da-manhã está incluído na diária e é muito bom. É preciso escolher o horário no momento do check-in. Para o jantar, o restaurante oferece a opção a la carte ou buffet, mas para ambos é preciso escolher horário e reservar. Nós jantamos todos os dias no buffet e não nos arrependemos. A comida é bem gostosa e o preço é aceitável (cerca de 30 euros por adulto e 14 por criança), além da praticidade de ser dentro do hotel (o que conta muitos pontos no frio, e com crianças que dormem cedo, como as minhas).

O parque fica a menos de 4 minutos a pé do hotel, de porta a porta (sim, eu me dei ao trabalho de cronometrar). É só ir seguindo as pegadinhas amarelas. Isso me impressionou bastante, em comparação aos parques de Orlando. Eu moooorro de preguiça daquela peregrinação de levar 10-30 minutos de carro ou (dependendo de onde se hospeda), estacionar naquele sol, andar até o trenzinho, esperar na fila, pegar o trenzinho, andar até a entrada, fazer fila para revista das bolsas, andar até o trem ou barca, depois andar, mais e mais e mais. Fiquei cansada só de escrever. Entre sair de casa e entrar no primeiro brinquedo deve levar umas 2h, sem exagero. Os menorezinhos já estão com sono e/ou com fome quando chegam. Para ir embora, a mesma novela. É muito cansativo e o tempo útil no parque fica muito reduzido. Eu particularmente acho isso bem sofrido. Nesse ponto, o Efteling é um paraíso. Você sai do hotel e em 5 minutos, no relógio, a criança já está se divertindo. Achei isso maravilhoso. As tais pegadinhas levam a uma entradinha simples, nada megalomaníaco como na Disney. Simplesmente um portão com um ser humano que abre a tranca. Passando esse portão, já há um parquinho para os menores brincarem. Nessa entrada também, é possível alugar “push-chairs”, umas cadeirinhas de madeira para a criança sentar e ser empurrada/puxada pelo adulto, tipo um carrinho-de-mão, a 4 euros.

 

 

 

O parque é todo lindo. Em todos os detalhes. Não deixa nada a desejar aos parques da Disney, com a vantagem de andar muito menos entre as atrações e de ter comida boa. E de ser infinitamente mais vazio.

 

A quantidade e diversidade de atrações é enorme, para todas as idades. Vale à pena baixar o app gratuito e ir dando uma estudada nos brinquedos, altura mínima, etc. Um ponto alto é a floresta encantada, que é uma graça. Mas fiquei realmente surpresa com a quantidade de atrações. O parque tem vários “núcleos”, e cada um conta com uma infinidade de brinquedos, desde os mais simples, tipo carrossel, até os mais elaborados, como montanhas-russas. Para a idade da Clarinha (4 anos), as opções são inúmeras. E, como era vazio, ela repetia e repetia (e repetia e repetia). Os preferidos dela foram:

  • Playground Kleuterhof: um parquinho bem parquinho mesmo, mas bem divertido. Fica logo na entrada do parque.
  • Droomvlucht: Um passeio pelo mundo das fadas e duendes. Para toda a família. As duas amaram.
  • Floresta Encantada (Fairytale Forest): Uma floresta onde você vai passeando e a cada curva se depara com o cenário de um conto diferente.
  • Carnaval Festival: Um análogo do “It’s a Small World”, do Magic Kingdom. Um passeio por diversas culturas. Para toda a família. As duas adoraram.
  • Villa Volta: Um simulador, onde você fica em uma sala e aparentemente vira de cabeça-para-baixo. Para qualquer idade, mas não levei Aurora. Clarinha amou e foi diversas vezes.
  • Bobsleigh Ride: Uma montanha-russa para todas as idades (desde que a criança ande). Clarinha é louca por montanha-russa, então esse foi o ponto alto para ela.
  • Halve Maen: Barco Viking. Não vira dá a volta completa. Esse foi o preferido da Clarinha.
  • Adventure Doolhof: Labirinto bem legal.
  • Monsieur Canibale: Estilo xícara que roda. Clarinha ama e foi umas 200 vezes (Atenção que tem uma xícara por eixo que gira bem menos. Melhor pra quem enjoa e pior pra quem quer emoção).
  • De Oude Tufferbaan (Classic car ride): Um passeio em um carro antigo, que anda sobre um trilho. Clarinha amou porque ela que “dirigiu” o carro.
  • Monorail: Um carrinho em forma de lua, que anda em um trilho suspenso. Para toda a família. Na saída tem um parquinho cheio de escorregas bem legal.
  • Piraña: Barco nas corredeiras. Molha bastante, mas Clarinha adora.
  • Anton Pieck Plein: Uma praça com brinquedos antigos de parques de diversão. Bom porque são vários brinquedos bem pertinhos um do outro, dá para brincar bastante.
  • Playground Kindervreugd: Estilo pracinha, com areia.
  • Diorama: Um “museu”, mostrando uma cidade em miniatura.
  • Montanhas-russas para maiores: Joris em de Draak, Baron 1898, De Viegende Hollander, Python, Vogel Rok, Symbolica (ainda não havia inaugurado quando fomos).
  • Fata Morgana: O único que Clarinha não gostou, porque ficou com medo. É um barco calmo, mas as figuras são meio assustadoras mesmo. Aurora nem tomou conhecimento do que se passava e ficou de boa.
  • Gondoletta: Um barquinho que passeia pelo lago. Não quisemos ir por causa do frio.

 

 

Vale mencionar que em vários desses Aurora (1 ano) pôde ir também, e olhava tudo maravilhada, apontando e dando gritinhos.

Existem vários bonecos-lixeira, chamados Holle Bolle Gys, espalhados pelo parque, que ficam falando, pedindo para jogarem lixo na boca deles (vi isso também no parque do Asterix, em Paris). Clarinha achou isso a coisa mais divertida do mundo. Ficava guardando lixo para alimentar os bonecos. Achei uma idéia inteligente para manter o parque limpo.

 

Outra coisa que tem espalhada são umas estátuas de galinhas ou patos dentro de um vidro. Você coloca uma moeda e eles colocam um ovo de plástico, com um brinquedo dentro.

Lá não tínhamos cozinha, então dávamos almoço cedo para as meninas nos restaurantes do parque e levávamos lanchinhos para elas (castanhas, biscoitos, frutas). Há muitas opções de restaurantes, com vários tipos de comida, tanto sanduíches quanto comida de verdade, ao contrário dos restaurantes junk da Disney. No mapa do app é possível checar o tipo de comida de cada restaurante.

Uma paixão particular minha é o stroopwafel. O stroopwafel é um típico biscoito caramelado holandês, que vende em qualquer mercado, mas o industrializado. São poucos os lugares em que é possível comer um stroopwafel fresco, quente, feito na hora. E o Efteling é um desses lugares. Só isso já tornaria o Efteling um paraíso para mim. Comi diariamente. E deixou saudades.

 

 

No último dia, fizemos o check-out às 10:00, colocamos tudo no carro e fomos para o parque. Ficamos até umas 15:00, e de lá fomos direto para Brugge.

 

 

 

Um comentário em “Efteling

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s