Trem Londres-Paris

A viagem de trem de Londres para Paris foi tão tranquila quanto havia sido a anterior, de Bruxelas até Londres (leia nesse post sobre as vantagens de viajar de trem).

Assim como a viagem anterior, havíamos comprado pelo site da Eurostar, e baixamos as passagens no My Wallet do iPhone (não havia como imprimir), e funcionou tudo perfeitamente. Aurora não pagou passagem. Crianças com menos de 4 anos viajam de graça, de 4 a 11 anos pagam tarifa reduzida e de 12 a 25 anos tem desconto!

Fomos de Uber XL de Notting Hill até a estação London St. Pancras. Nossos milhares de malas + carrinho duplo + duas crianças couberam com tranquilidade na van. O aplicativo do Uber na Europa e EUA é o mesmo que o do Brasil (pelo menos nos lugares em que já utilizamos).

A estação é bastante organizada e segura. Fomos logo realizar o check-in. Mais uma vez, nossas passagens no My Wallet foram lidas pelo sensor sem problemas.

A passagem pela polícia de fronteiras foi um pouco demorada, tinha bastante fila. Oficiais ingleses checavam os passaportes, registravam dados e faziam diversas perguntas. Para nós, não houve qualquer problema, mas vimos algumas pessoas que ficaram retidas por bastante tempo nessa etapa.

Depois disso, foi tudo muito simples e rápido. Andar com as meninas no carrinho e com as malas pela estação e pela plataforma é bem tranquilo. Como da outra vez, tinha espaço de sobra para tudo no bagageiro que fica na entrada do vagão (na foto abaixo, tudo que está no bagageiro é nosso).

IMG_3693
Carrinho na plataforma da estação de London St Pancras

 

Sentamos em poltronas viradas de frente umas para as outras (duas e duas), com uma mesinha no centro. Tinha um senhor na quarta poltrona, mas ele mesmo tratou de se mudar quando viu o que o aguardava. Aurora dormiu a maior parte do tempo e Clarinha ficou colorindo no iPad. Compramos bebidas e sanduíches razoáveis a preços não abusivos (pode-se pagar em euros ou em libras). Os banheiros eram relativamente espaçosos e estavam limpos.

Foram 2h15 de uma viagem bastante tranquila até Paris, onde chegamos na Gare du Nord, e chamamos um Uber Van. As estações em Paris são mais movimentadas e bagunçadas, por isso há que se ter mais atenção.

Viagem de trem Bruxelas-Londres

Para o trecho Bruxelas – Londres, optamos por comprar passagens de trem. Eu prefiro viagens de trem por diversos motivos:

– Não precisa chegar com horas de antecedência

– Check-in mais rápido

– Não precisa despachar a bagagem, e não há limite de volume e peso

– Mais espaço e mais atrativos para distrair crianças, fazendo o tempo passar mais rápido

– Maior conforto, não ficamos igual sardinha em lata. Com família, é possível pegar duas duplas de poltronas uma de frente a outra, com uma mesinha no meio.

– As estações de trem costumam ser bem centrais, o que facilita muito o deslocamento de/para a estação, além da economia de táxi/shuttle

– Em geral a passagem é mais barata

– Não ter que prender a criança na cadeira na aterrisagem/decolagem ou turbulência (parece besteira, mas esse momento pode ser absurdamente difícil e desesperador, principalmente quando a criança está dormindo)

– Tenho medo de avião

 

Para trechos maiores, o trem noturno é uma excelente opção. A viagem passa rápido, e ainda se economiza uma noite em hotel.

Compramos pelo site da companhia de trem, a Thalys, com bastante antecedência, e conseguimos tarifas boas

Saímos de Brugge de carro, rumo à Bruxelas. Lá pegaríamos o TGV para Londres. A passagem é digital, baixada no celular (My Wallet do iPhone). Tentei imprimir porque sou dessas, mas não consegui.

A estação de trem Brussels-Midi é bastante tranquila e segura. O banheiro é pago e tem alguns cafés antes do check-in, mas achei os depois do check-in, na área de embarque melhores. Tem cafés, restaurante e loja de chocolate

IMG_3484
Brussels-Midi

O check-in foi rápido, mostrando somente as passagens no celular. Mas é preciso passar pelo controle de fronteiras, com raio X, entrevista e tal, e essa parte foi bem demorada. Chegando na nossa vez, foi rapidinho, mas vi os funcionários da Alfandega fazendo bastante perguntas para alguns passageiros.

Esperamos um pouquinho no salão de embarque, o suficiente para tomarmos um café e comprarmos sanduíches para comer no trem.

Foi bastante tranquilo ir com nosso carrinho duplo trambolho até a plataforma, na porta do trem. Eu empurrei o carrinho com as meninas uma mala de mão pendurada no carrinho e uma mala, e o Gustavo com as duas malas maiores. Chegando na porta do trem, fiquei com as meninas na plataforma enquanto ele entrou com as malas, uma a uma, e colocou no bagageiro próximo à porta do nosso vagão. Depois entrei com as meninas e ele dobrou o carrinho e colocou lá também. Absolutamente nenhuma questão com espaço. Pelo contrário, espaço de sobra. Tinha uma moça sozinha com carrinho de bebê e malas, e prontamente apareceu um funcionário para ajudar.

Entramos todos e sentamos nos nossos lugares, como compramos apenas 3 poltronas, havia um senhor na quarta poltrona. Ele prontamente procurou um lugar vazio e trocou de lugar (esperto, eu também teria feito o mesmo). Antes mesmo do trem sair, Clarinha já fez uma amiguinha. Uma menina australiana, da mesma idade, que estava com os pais. Uma não entendia absolutamente nada do que a outra falava, mas isso não pareceu atrapalhar. Passaram a viagem brincando de bonecas, colorindo e fazendo quebra-cabeça no iPad (cuja bateria acabou em 10 minutos, por total falta de planejamento nosso). Aurora dormiu um período no colo do Gustavo, depois acordou e ficou na paz, olhando a paisagem.

FullSizeRender

Há banheiros em todos os vagões, e são um pouco mais espaçosos do que os de avião. Há também um vagão restaurante, com lanches (sanduíches, biscoitos, etc) com preço normal. Dependendo do trem e do itinerário, são vendidas refeições.

E assim as 3 horas de viagem transcorreram tranquilamente (atentar que tem fuso horário entre a Bélgica e a Inglaterra). Chegando na estação de London St. Pancras, o desembarque foi super tranquilo. Chamamos um Uber XL. Veio um carro enorme, que comportou perfeitamente todas as nossas volumosas tralhas (veja aqui no post sobre Londres).